quarta-feira, 18 de março de 2009

Antes de continuar....


Olá pessoal!
Antes dar continuidade ao assunto emagrecimento, achei interessante “traduzir” alguns termos que vamos encontrar nas postagens futuras para facilitar o entendimento dos textos.
Acredito que muitos saibam e com certeza ouvem falar com certa frequência, mas outros podem não estar tão familiarizados assim!
Então vamos lá!

* Dieta – Alimentação que realizamos diariamente (pode ser para emagrecer, engordar, diminuir o colesterol, ajudar no controle da pressão arterial, manter o peso, reduzir a produção de radicais livres, etc.), ou seja, a rotina alimentar diária é uma DIETA;
* Alimento – Tudo aquilo que ingerimos na dieta diária (leite, pão, queijo, sucos, frutas, feijão, carnes, etc.);
* Nutrientes – Substâncias contidas nos alimentos que possuem funções variadas no organismo e que podem ser bons ou ruins (depois vamos falar sobre os mais importantes);
* Genética - (do grego genno; fazer nascer) é a ciência dos genes, da hereditariedade e da variação dos organismos. Ramo da biologia que estuda a forma como se transmitem as características biológicas de geração para geração (“roubei” a descrião da Wikipedia! rsrs), ou seja, se tivermos herdado genes para a obesidade, vamos ter mais dificuldade para mantermos o peso ideal;
* IMC – Índice de Massa Corporal – é a relação entre o peso e a altura, e é calculado dividindo–se o peso corporal pela altura ao quadrado (altura x altura);
* Fator de risco – Qualquer fenômeno, alteração física, genética, bioquímica (verificada pelos exames de sangue) ou eventos psicossociais (stress, depressão, hábitos regionais, etc.) que podem contribuir para o desenvolvimento de doenças;
* Percentual de gordura – Quantidade de gordura que possuimos no corpo e que é de extrema importância para avaliarmos se temos excesso de peso, uma vez que é o excesso de gordura corporal que pode desencadear doenças relacionadas ao peso corporal inadequado;
* Célula – Estrutras que compões todos os tecidos do organismo e que apresentam formas e funções variadas. Possuem estruturas extremamente complexas e de importância vital para o bom funcionamento do organismo;
* Hormônios – Substâncias produzidas em algumas partes do corpo que desempenham funções diversas no organismo, podendo agir no local de produção, em locais próximos ou distantes, levados através do sangue. Alterações na produção de hormônios podem levar ao surgimentos de diversos tipos de doenças como o diabetes, hipo ou hiper tireoidismo, disturbios do ciclo menstrual, etc.
* Neurotransmissores – substâncias que levam sinais de uma parte a outra do corpo. Atualmente sabe-se que defeitos nos neurotransmissores podem ser responsáveis pela resistência a insulina , por exemplo.
* Carboidratos – Principais nutrientes responsáveis pelo fornecimento de energia do organismo. Representados pelos açúcares simples (sacarose, glicose, frutose,etc.) e pelos carboidratos complexos (amido por exemplo);
* Proteínas - Chamados de nutrientes “plásticos”, as proteínas são responsáveis pela “estrutura” dos tecidos, como os tijolos de uma casa;

* Lipideos ou gorduras – São nutrientes que também fornecem energia e entram na formação das membranas celulares, hormônios, e possuem um papel de proteção no organismo (como isolante físico e térmico). Seu excesso pode ser responsável por uma série de doenças que vamos falar em postagens futuras;
* Vitaminas e Minerais – Nutrientes que fazem parte de todas as reações que ocorrem no oragnismo sendo de extrema importância o seu consumo regular através de alimentos como as frutas, verduras e legumes;
* Fibras - Nutrientes encontrados nos alimentos de origem vegetal e que não são digeridos pelo nosso organismo ou digeridos parcialmente, mas mesmo assim possuem diversas funções importantes.
Bom, acho que chega!
De qualquer forma, esta postagem vai servir como um guia rápido quando pintar alguma dúvida.
Caso queiram saber sobre alguma coisa que não foi descrita, é só perguntar!

Amigas nutricionistas, acrescentem seus comentários!!!!!!
Até a próxima!

sábado, 7 de março de 2009

Emagrecendo.....

Antes de falarmos sobre emagrecimento, algumas considerações que acho importantes:

* Nosso peso ideal nem sempre é o indicado nas tabelas de IMC (Índice de massa corporal = peso divido pela altura em metros ao quadrado);

* O peso corporal não deve ser avaliado somente pelo peso da balança, ou seja: é importante sabermos quanto o peso de gordura representa no peso corporal total, afinal, é o excesso de gordura corporal que faz mal a saúde;

* Dieta não é a melhor opção para perda de peso definitiva;

* Emagrecer não significa privação e sim consciência daquilo que comemos;

* Mais importante do que estar magro, é estar saudável;

* A atividade física regular é fundamental para o controle e manutenção do peso adequado;

Então vamos lá!
Emagrecer é matemática pura: se consumimos menos calorias do que gastamos, perdemos peso. Este é o princípio da maioria das dietas. Porém, a médio e longo prazo a redução do consumo calórico faz com que o corpo se adapte a esse consumo, reduzindo e até mesmo cessando a perda de peso. Normalmente é nesta fase que algumas pessoas voltam a engordar.
Atingindo o peso ideal, abandonamos a dieta ou começamos a permitir alguns excessos e as calorias extras consumidas são estocadas lentamente no tecido adiposo, levando ao ganho de peso.
O que fazer?
Em primeiro lugar, desistir das dietas. Isso mesmo! Desistam das dietas, principalmente as famosas dietas da moda!
Segundo, sabermos exatamente quais nossas necessidades de calorias e nutrientes e seguirmos uma rotina alimentar adequada para que estas sejam supridas.
Outro ponto importante é que devemos adaptar a alimentação ideal a nossa realidade. O que quero dizer? Nem sempre podemos comer de forma ideal se nossa rotina não nos permite, e é por isso que as dietas só funcionam por tempo determinado.
É muito difícil com o tempo passando cada vez mais rápido perdermos tempo com a alimentação. Eu nem deveria concordar com isso, mas é verdade! Trabalho, filhos, família e outras obrigações, acabam ocupando mais tempo na nossa agenda do que a nossa saúde! É uma pena, mas realidade pura!
Encontramos em qualquer banca de jornal, livraria, internet e outras fontes, informações sobre alimentos saudáveis, chás que ajudam a emagrecer, alimentos que fazem bem ou mal, mas nem sempre o que realmente é adequado a cada um de nós.
Para manter a saúde em dia e o peso “ideal” precisamos seguir uma rotina alimentar personalizada, além de bom senso e conhecimento sobre o funcionamento do nosso organismo.
E é sobre isso que falaremos nos próximos “capítulos”.
Até lá!

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Emagrecimento (reflexões)

Oi pessoal!
Vamos aos resultados das pesquisas. Quem votou, obrigada!
Assim fica mais fácil escrever e agradável para ler (espero!!! rsrrs).

Um parêntesis: estou mudando a aparência do blog porque ainda não cheguei ao modelo que quero (não sei fazer um personalizado ainda, mas espero chegar lá embora tenha gostado desse último formato – se quiserem opinar, obrigada mais uma vez!).

O resultado da enquete foi o seguinte: a maioria preferiu o assunto emagrecimento. Em segundo, o assunto propriedades dos alimentos, seguido de suplementos alimentares e dietética chinesa com o mesmo número de votos. Vou priorizar o emagrecimento com todas as suas variáveis, mas vou falar sobre todos os temas votados e muitos outros.
Mas antes de começar, acho importante falar sobre alguns aspectos que o tema emagrecimento pode envolver.

No último final de semana, tive uma aula sobre "Transtornos Alimentares", assunto diretamente ligado a este assunto. Talvez porque emagrecer ou estar magro seja a "onda" do momento, mas é uma “onda” que me preocupa e a boa parte das pessoas que trabalham com saúde.
Confesso que fiquei impressionada com os casos de anorexia e bulimia (transtornos alimentares mais estudados e cada vez mais presentes na nossa sociedade), causados principalmente pela imposição da mídia e pelas diretrizes da moda atual, e que nos levam a como percebemos nossa imagem corporal e de como esta pode estar impressa na sociedade.
Não pretendo me estender neste primeiro momento, mas transtornos alimentares são muito mais do que não comer ou colocar tudo para fora depois de consumir uma grande quantidade de alimentos (atitudes características destes dois transtornos), e sim o comer compulsivamente em alguns momentos, comer alimentos "diferentes", ou ficar determinado a comer somente alimentos com propriedades de saúde e sem nenhum tipo de agrotóxico...
São muitos os transtornos alimentares! E acho que vale revermos nossos conceitos, porque quem “realmente” precisa perder peso deve saber que este processo deve ser lento e acompanhado de mudanças que não devem ser momentâneas, mas sim gradativas e "praticamente" eternas! E de uma maneira que não prejudique nossa saúde.
Vamos pensar um pouco sobre isso?
Na próxima postagem, vamos falar sobre o processo de perda de peso e de todas as suas vertentes, mas com consciência e saúde principalmente!
Até lá!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Começando a se alimentar bem!



Todos sabemos que comer de forma mais equilibrada pode contribuir para melhorar a saúde, a disposição, o sono, o humor, controlar o peso e de um modo geral, para o bem estar.
Mas quando pensamos em melhorar a alimentação, pensamos também que isso pode siginificar abrir mão daqueles "alimentos" que mais gostamos ou até mesmo termos que nos privar daqueles momentos em família ou com os amigos, normalmente regados a comidas mais calóricas acompanhadas de bebidinhas também calóricas e de guloseimas que podem nos fazer perder a cabeça!
Quem também nunca resolveu começar uma "dieta" (sou muito cuidadosa em utilizar este termo, já que de cara siginifica - NÃO PODE!) na segunda feira e no final do dia já não tinha desistido?
Então, que tal mudar seus conceitos?
Comer bem não significa (de certa forma) nada disso.
Informações sobre alimentos funcionais, dietas da moda, receitas milagrosas, chás que emagrecem, "doces que não engordam", estão em diversos lugares, acessíveis a todos.
Mas o que realmente funciona? Será que realmente funciona para todos? Quanto de tudo isso é verdade ou mentira, vai do nosso bom senso. Vamos aos fatos, chás não emagrecem, não existem doces que não engordam, pizza e cerveja ou vinho podem fazer parte de uma alimentação saudável, e dietas só funcionam quando FAZEMOS a dieta, ou seja, bom senso é a chave para comermos bem e sermos felizes!
Vou tentar (devagar é claro) porque as informações são muitas, escrever um pouquinho da minha experiência do que pode dar certo (algumas coisas funcionam para algumas pessoas e para outras não), e do que realmente pode atrapalhar o caminho para uma alimentação melhor e mais saudável!
Mas seguem algumas perguntas para que possam analisar como anda sua alimentação!

* Costuma beber uma média de dois litros de água por dia?

* Come com intervalos regulares (pelo menos a cada quatro horas)?

* Come frutas, verduras e legumes diariamente?

* Costuma sentir-se "cheio" após as refeições?

* Come frituras, produtos industrializados, salgadinhos e consome bebida alcoólica com frequência?

* É viciado em algum tipo de alimento mesmo sabendo que pode não fazer bem para a saúde?

Pronto! Respondendo a estas perguntas (e enviando seu comentário), podemos falar sobre os erros mais comuns que podem fazer toda a diferença na hora de escolher uma melhor maneira de começar a se alimentar bem!

Abraços a todos!

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Alimentação e Saúde


A maioria das doenças, principalmente as crônicas, está relacionada com o que as pessoas comem e bebem, assim como com suas atividades diárias e seu ambiente físico e social. Desta forma, a alimentação está diretamente, relacionada com as esferas psicológicas e sociais da vida humana e, portanto, pode contribuir para o bem estar bio-psico-social do indivíduo.
A alimentação atende as necessidades nutricionais de calorias e de nutrientes, que garantem o crescimento, desenvolvimento e funcionamento ideal do organismo e o não atendimento destas necessidades pode comprometer a saúde do indivíduo.
A integridade do organismo pode ser comprometida tanto por carências nutricionais quanto pelos excessos alimentares, que irão afetar, não só o seu bem estar físico, mas a própria vida em sociedade.
A informação é um componente essencial na formação e construção de hábitos, mas não é suficiente se levarmos em consideração que o comportamento humano é determinado por diversos fatores como cultura, religião, hábitos familiares, capacidade econômica, e outros que contribuem para a formação do comportamento alimentar dos indivíduos.
A obesidade e as doenças a ela relacionadas é hoje um problema que merece muita atenção uma vez que pode diminuir a capacidade de trabalho das pessoas e aumentar o perigo de acidentes vasculares, doenças cardíacas e na vesícula, além de uma variedade de formas de câncer.

A má alimentação é hoje um dos grandes problemas das sociedades e é importante que os conhecimentos sobre a função dos nutrientes no organismo (seu excesso ou sua carência) sejam do conhecimento de todos.

Pretendo trazer informações sobre alimentação e nutrição e contribuir para que suas escolhas alimentares permitam que seu corpo e sua mente desempenhem suas funções com o máximo da sua capacidade, garantindo seu bem estar físico e psicológico, sem esquecer que a alimentação também é uma fonte de prazer, “sensação” indispensável para a felicidade!

Até lá!